<div style='background-color: none transparent;'><a href='http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget' title='News Widget'>News Widget</a></div>

Porque deve andar perto uma mulher... - Em resposta às pertinentes indagações poéticas levantadas pelos diletos Fábio e Inagaki nos comentários do post passado, republico o texto no qual citei o Soneto do Corifeu, mais um belíssimo exemplar da lavra do Poetinha.


Vincent Van Gogh - La Nuit Etoilee

"Reminiscências da Noite - Uma noite só comigo, onde recordo o passado. Uma noite sem vozes, sem música. Sozinho com o pinho cansado e a pena já gasta. Resquícios do dia que já se foi. São poucos os acordes com os quais celebro o adormecer lento. Noite sem ninguém. Só às palavras do Poeta:


"Soneto do Corifeu


São demais os perigos desta vida
Para quem tem paixão, principalmente
Quando uma lua surge de repente
E se deixa no céu, como esquecida.

E se ao luar que atua desvairado
Vem se unir uma música qualquer
Aí então é preciso ter cuidado
Porque deve andar perto uma mulher.

Deve andar perto uma mulher que é feita
De música, luar e sentimento
E que a vida não quer, de tão perfeita.

Uma mulher que é como a própria Lua:
Tão linda que só espalha sofrimento
Tão cheia de pudor que vive nua.
"
Vinicius de Moraes


Uma noite sem paisagens, só vontades. Sem sono, só sonhos. O cheiro da noite completa o ambiente noctívago, repleto de personagens e palavras que desfilam por entre os labirintos do meu imaginário inquieto, as páginas inconscientes de um romance por escrever e a voz emudecida pelo cansaço. Solitário olhar que caminha lento, pautado pela pulsar claudicante em minhas veias. À vista cansada saltam as palavras de um poema escrito num passado distante:


"Soneto do Acordar-te

Em um momento perdido no tempo eu queria te desvendar.
Emaranhar-me ao teu corpo e me permitir o teu abraço.
Numa aposta em que nunca saberemos os vencedores,
Às marcas dos beijos que sonhei uma única vez roubar-te.

Acordar às cordas que nos prendem os corpos em êxtase.
Marcar-te às amarras com um beijo ao único acordar-te.
E hoje, durante um efêmero segundo, eu tive você, minha.
E dos teus lábios de carmim eu suguei o sentido da vida.

Mas ousei apagar meu desejo como deletam-se imagens.
E me foi suficiente por um tênue cavalgar de segundos.
Quando me amarrou ao passado que nunca há de existir.

E Me doeu pensar que nunca te saberei um beijo sequer.
E à vibrante cor dos olhos de cujo espelho não esquecerei,
Eu me vi te amando, apaixonado que fui em um segundo.
""

Marcadores:

Deixe um comentário


Comentem as matérias, façam sugestões, elogios ou mesmo reclamações, troquem idéias, este é o lugar para opinar!

Os comentários não serão respondidos por email, só aqui mesmo; se quiser saber se alguém respondeu ao seu comentário, inscreva-se por email no Feed de comentários do artigo, ou então: VOLTE SEMPRE!