<div style='background-color: none transparent;'><a href='http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget' title='News Widget'>News Widget</a></div>

Dindi de Tom

Nesta manhã o sol resolve mostrar-se novamente e acordo pensando nos acordes que ilustram a bela letra de Dindi e na paisagem do céu à beira-mar de Fortaleza. A mesma pintura que observo etéreo, enquanto desliso nas calmas águas da piscina. E vejo os bandos de nuvens e bandos de pássaros, amalgamando-se em sintonia como a música do Maestro. Sempre em cinco, o bando dos pássaros que cortejam as nuvens que vão-se. E tento lembrar da letra de Clara Manhã, do poeta alencarino Jorge Maia, mas me fogem os versos à mente trôpega e desafinada pela noite que passou. Eu tento fugir, mas Dindi não foges de mim...

Céu, tão grande é o céu
E bandos de nuvens que passam ligeiras
Prá onde elas vão
Ah! eu não sei, não sei
E o vento que fala nas folhas
Contando as histórias
Que são de ninguém
Mas que são minhas
E de você também
Ah! Dindi
Se soubesses do bem que eu te quero
O mundo seria, Dindi, tudo, Dindi
Lindo Dindi
Ah! Dindi
Se um dia você for embora me leva contigo, Dindi
Fica, Dindi, olha Dindi
E as águas deste rio aonde vão eu não sei
A minha vida inteira esperei, esperei
Por você, Dindi
Que é a coisa mais linda que existe
Você não existe, Dindi
Olha, Dindi
Adivinha, Dindi
Deixa, Dindi
Que eu te adore, Dindi... Dindi


Antonio Carlos Jobim,
Aloysio de Oliveira, Ray Gilbert
1959

Marcadores:

Deixe um comentário


Comentem as matérias, façam sugestões, elogios ou mesmo reclamações, troquem idéias, este é o lugar para opinar!

Os comentários não serão respondidos por email, só aqui mesmo; se quiser saber se alguém respondeu ao seu comentário, inscreva-se por email no Feed de comentários do artigo, ou então: VOLTE SEMPRE!