<div style='background-color: none transparent;'><a href='http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget' title='News Widget'>News Widget</a></div>

Crônicas em São Paulo - Após um longo porém nada tenebroso outono, volto a escrever neste espaço. Novamente, errante, aportei em São Paulo, onde o destino me mandou a fim de cuidar da saúde de meu filho. Sair de Fortaleza e vir para a Cidade que sempre cuidava em denominar "loucrópole" foi uma mudança grande e por demais abrupta em nossas vidas. Mas, enfim, tudo acontece por uma razão, é o que diz o meu mantra etéreo-metafísico que tanto tenho entoado nos vagos momentos de repouso. Por outro lado, São Paulo, vim a descobrir, tem sido uma doce novidade. Uma agradável surpresa na verdade. Seguem, portanto, a partir de agora, textos enebriados pelo doce ambiente que consegue amalgamar nostalgia e boemia, sem que consigamos esquecer que ali bem próximo, também respira o ar quase irrespirável de uma Cidade que não pára nunca.

Crônicas de São Paulo I

Meus Caros Amigos,

Por aqui, nesta gigante Sampa, tudo bem graças a Deus.
Um tempo meio frio, já nos ensinou que as saídas devem sempre vir acompanhadas de um casaco sempre à mão. Uma olhada no boletim do tempo também não é um passatempo inútil como pensávamos nos trópicos alencarinos.
Com a chegadas dos nossos carros, a mobilidade maior finalmente veio, já que o GPS ajuda bastante numa megalópole como SP. As ruas já não parecem tão inóspitas como nos primeiros dias, tampouco o ambiente tão estranho. Apesar de que São Paulo precise justamente do contrário. Aqui já há carros demais, todos já sabem. No entanto, estar motorizado, ainda permite o prazer de redescobrir a Cidade nos finais de semana ou feriados prolongados, onde parece que a Cidade parece desfalecer do dia-a-dia caótico para renascer como numa agradável surpresa.
Aos poucos vamos fazendo algumas amizades, que se juntam aos telefonemas dos amigos e parentes não tão distantes nestes dias de internet e globalização.
Nossos trajetos principais já nos são conhecidos de cor e salteado, em que pese os saltos serem tão efêmeros nas horas de muito tráfego. Aliás, já familiarizados com os rodízios e as horas em que todas as vias parecem ter congelado, evitamos o desagradável com algumas horas em casa ou mesmo caminhando pelo agradável bairro de Moema.
Moema, diga-se de passagem, onde moramos, aqui do lado dos pássaros. Pássaros mesmo, pois o bairro é dividido pela Avenida Ibirapuera entre o lado pontuado por vias como Sabiá, Canário, Gaivota, Macucos (que tanto nos lembram o Tom Jobim) etc. e o lado das ruas indígenas, lá distante.
Entre tantas andanças percebemos a Cidade também agradável dos inúmeros botecos, das cantinas e pizzarias, de tantas igrejas. Das feirinhas dos bairros onde se encontra de tudo um pouco.
É uma loucura organizada, como podemos perceber.
Uma manhã no Parque do Ibirapuera, me faz lembrar La Place de Voges em Paris. São tantas crianças a brincar à luz aconchegante da carruagem de apolo, tantas tribos e estirpes diferentes, num encantador e uníssono diletantismo dominical, que me fez olhar cada segundo com mais emoção.
Um dia desses, por entre uma nesga de prédios, meio tímida, eu vi a lua, meio que enodoada pela feia fumaça que sobe apagando as estrelas. Estava linda, deselegantemente linda.
Em São Paulo, a cada dia eu agradeço o sorriso diário dos nossos lindos rebentos. Não há paisagem igual que vem juntar-se às boas novas de que estamos alcançando os objetivos que aqui nos trouxeram.
Apesar da saudade meio que latente de tantos que nos são tão caros e estão distantes, aqui e agora, é o nosso lugar.
Amanhã, vai ser outro dia, ainda melhor.
Amém!

Marcadores:

6 comentários

  1. Dioneide disse:

    Gostei do seu blog e virei mais vezes aqui.
    Posso te linkar no meu blog?
    abraços

  2. Dioneide disse:

    De São paulo só lembro de tardes cinzentas, ruas com prédios muito altos, poluição, mulheres executivas de pasta na mão e fala pouca, taxistas negociando as corridas, ruas e muitos viadutos, outdors gigantes, teatro dentro de shopping, poucas árvores e muita pedra, concreto, gente andando rápido demais, trabalhador dormindo no ônibus e terminei minha vaigem me emocionando com um lindo coral no aeroporto organiado pelas aeromoças, era natal!!!!!!
    Abraços

  3. Dani Couto disse:

    Meu querido...
    Texto muito lindo!!!!
    Muitas saudades...
    Torcendo sempre pelo Vi.
    Beijo gigante em todos.

  4. Dioneide disse:

    Obrigada pela visita e já te linkei lá.
    Sampa de pedras, de modernidade e de calor humano mesclado...rs
    grande abraço

  5. Laura disse:

    Oi Emerson... Quanto tempo!!!
    Lembra de mim? Quer dizer que você está em Sampa... Bom, estava ouvindo Beatriz e lembrei de toda a história do anomia... resolvi te visitar.
    Beijos grandes e desejo tudo o de melhor para o seu filho!

  6. Anônimo disse:

    Emerson querido,
    PARABÉNS!!!!! todas as graças de Deus para vocês. Em outubro estarei ai, quem sabe a gente de encontra. Jonas e a Loura gostaram muito de encontra-los.
    beijão da Ritinha

Deixe um comentário


Comentem as matérias, façam sugestões, elogios ou mesmo reclamações, troquem idéias, este é o lugar para opinar!

Os comentários não serão respondidos por email, só aqui mesmo; se quiser saber se alguém respondeu ao seu comentário, inscreva-se por email no Feed de comentários do artigo, ou então: VOLTE SEMPRE!